Blog, Estudos acadêmicos, Eventos, Jornalismo

Reflexões Produtivas no Congresso Abrapcorp

Conforme anunciado aqui no Intermezzo, realizou-se nos dias 3, 4 e 5 de maio o I Abrapcorp, congresso da Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação Organizacional e Relações Públicas, no qual coordenei o GT – Comunicação Digital e Tecnologias Inovadoras. Compartilho algumas reflexões que considero realmente produtivas para o nosso campo.

1. Uma visão sociológico-antropomórfica das tecnologias digitais aguaviva1.jpg

Interessantíssima a intervenção do professor da Eca, Massimo de Felice, que apresentou um trabalho sobre as formas de organização social e sua relação direta com as tecnologias utilizadas no processo comunicativo. Recorrendo à metáfora da água viva (que só existe porque é feita de seu próprio meio – a água, portanto, nela coexiste), Felice afirma que a estrutura da comunicação em rede é a própria rede, numa coexistência em fluxo contínuo. Portanto, podemos concluir que nos meios digitais não há como separar o processo de produção do processo informativo, rompendo com a tradicional separação entre “interno” e “externo”, “público” e “privado”, “meu” e “nosso”.

Aceitando as considerações do professor, temos espaço para repensar o processo de contrução da informação digital, especialmente quando falamos de notícias.

2. Simetria-Conversações-Integraçãosimetria.png

 Três conceitos recorrentes que permearam as diferentes apresentações do GT Comunincação Digital. Sempre presentes ao nos referirmos a sistema e estratégias de comunicação digital. O primeiro deles – a simetria comunicacional - considera que o comportamento dos comunicantes baseia-se na não aceitação das diferenças, portanto no equilíbrio dos discursos. Assim, poderíamos inferir que a estrutura do jornalismo digital deveria aceitar diferentes vozes, e diferentes intervenções. Muito próximo dos conceitos de jornalismo participativo. A segunda recorrência refere-se às conversações (termo bastante explorado pelo sistema semântico do Google). Falamos aqui de uma cultura digital coletiva que permite escolhas definidas após ou a partir da troca de experiências entre os comunicantes. Portanto, mais uma vez, o privilégio à simetria. Por fim, as interações aqui consideradas como o resultado natural de um sistema conversacional simétrico.

Penso que tais reflexões poderiam ser incluídas nas propostas que temos sobre uma linguagem para o jornalismmo digital.

About these ads
Padrão

2 comentários sobre “Reflexões Produtivas no Congresso Abrapcorp

    • Mário disse:

      É fascinante a metáfora da Água Viva, evocada pelo Prof. Massimo. Mostra-nos uma linha muito tênue entre o que chamamos de organização e o que consideramos meio social.

      Ao enxergarmos a sociedade em um modelo reticular, a idéia de uma organização perfeitamente delimitada (que nos diagramas corporativos tende a ficar no centro da página) cai por terra, diante da multiplicidade de interesses dos indivíduos. Em um modelo mais complexo, poderíamos imaginar que a idéia de organização resume-se a um conjunto de relações entre indivíduos, inseridas num emaranhado de outras, com naturezas diversas – como “morar em um mesmo bairro”, “criar a mesma raça de cachorro”, “ter o mesmo tipo de enfermidade” ou “interessar-se pela preservação dos ursos polares”.

      Com base em definições de “públicos” descritas por estudiosos como Blumer e Dewey, observa-se, por exemplo, que indivíduos múltiplos que compartilham uma questão (como “defender o acesso à educação” ou “produzir celulose”) podem mobilizar-se. Sob este ponto de vista, um conjunto de relações complementares mostra-nos o gérmen de uma organização. Se observarmos o modo de estruturação de um planejamento estratégico, a missão de uma organização parece definir a questão essencial, o fio comum que reúne indivíduos tão diversos quanto múltiplos. Nossa atividade como comunicadores organizacionais passa, portanto, pela leitura dessa rede e pelo entendimento de como o conjunto de relações que nomeamos “organização” interage e convive com outras interações sociais. E enfim, por meio meio da informação, contribuir para conciliações possam atuar no equilíbrio da rede, em seu eterno processo de transformação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s